Seguidores

domingo, 17 de fevereiro de 2013

SAUDADE ONDE ME FAÇO CAIS


























Saudade onde me faço cais

Naufraga vou rasgando as madrugadas
Em busca de mim naquilo que sou
Pedaço de sonho que a vida enclausurou
No repicar do sinos, tristes badaladas.

Papoilas, malmequeres, pessoas amadas,
O rio entre margens e o tempo voou
Só memórias restam do quanto se amou
Como bagas de suor em lágrimas mudadas.

Fiz-me peregrina do espaço sideral
Amazona do futuro a chamar-me lancinante
Viandante das estrelas e do nunca mais

E as palavras que me restam são o sal
Com que tempero a vida a cada instante
Oh, saudade onde me faço cais!



Em 17.fev.2013, pelas 23h00

PC

SONETO que me foi dedicado pelo Poeta e amigo Paulo César, a quem agradeço o carinho.
Amei o soneto, está maravilhoso, genial, é assim como um pedaço de mim, ou melhor dizendo nele me revejo
por inteiro.


Sem comentários: