Seguidores

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

ALGUMA COISA EM MIM



Quero cerrar os olhos
Esquecer a vida!
Deixar-me a ouvir o regato
no vale
E numa ventura infinitiva
Deixar o sonho ser real.
Este sonho que é feito
de migalhas entrelaçadas
Dum tempo que trago no peito
com imagens amadas.

Embacia-se a vista
com o fumo que se desata
das lembranças
O passado minha memória conquista
Recordo o tempo das esperanças.

As palavras ficam quietas na boca
No coração uma terrível estreitura
Um vendaval lembrando ser já tão pouca
A Vida que trago presa à cintura.
Darei meu coração por alimento
À vida que me traz derrubada
Se até meu respirar é sofrimento
Que mais queres de mim?
Vida danada...

natalia nuno
rosafogo
imegem do criative blog

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

PENSAMENTOS









Ás vezes cerro os olhos
Ao presente sombrio
Meu coração bate manso
Como bate o vento trémulo nas canas
Sinto-me pequena folha embalada
Num frenesim de esperança
E pouco mais que nada.

Ás vezes olho a paisagem desolada
E nem sei o que é mais cinzento
Se o que olho de alma quebrada
Ou o que me vai no pensamento.
Ás vezes sou levada por uma vontade
Assim, a lampada da vida
continua a arder
Outras me dá uma saudade
que a vontade
me quer morrer!

E a tristeza é como uma centopeia
Que se arrasta solitária
Avança e se passeia
Na minha alma lacerada
E continua dias a fio
A cada instante mais sombria,
como rio
Que segue  louco ao mar.

Ás vezes fico eternizada a pensar
Que a vida é mesmo esse rio, indiferente,
que corre sem parar,
e eu sentada aqui
Com frio na alma, nem me sentindo gente.
entregando-me ao futuro que se avizinha
e me espreita
e assim se vai sumindo vida minha
como a água do rio que corre.
A  ameaça se deita
despertando meu temor.

Ouço o  tremer do arvoredo,
fico sem medo,
do tempo me esqueço
Vibro com tanto aroma, tanta flor!
E assim adormeço.

natalia nuno
rosafogo

FICO-ME POR AQUI

2035lirios

Fico-me por aqui!
Não quero aumentar a tristeza
Nem vossa,  nem minha
De vós muito recebi
E a vossa estima é a certeza
que na minha escrita se adivinha.
A cumplicidade entre nós
sempre acesa.

Daí a saudade.
Agora ao atingir o fim?
Procuro vivamente a liberdade,
que á distância ficou de mim.
Não é que a eu não sinta!
Ou a  minha felicidade seja menor
Mas é pra que não minta
Pois hoje me sinto sem valor.

Estava decidida a ficar
Continuar com dignidade
Mas a outrém vou deixar falar
Já que só falo de saudade.

Volto ao ponto de partida
Desço ao fundo do meu coração
Deixo esta poesia mal urdida
Por hoje é esta a minha punição.

rosafogo
natalia nuno
imagem do blog imagens para decoupage
Hoje estou sem inspiração...

domingo, 25 de setembro de 2011

ESTRELAS ENGANOSAS


Meu sorriso jaz adormecido
E no meu olhar já a tarde dorme
Minha voz desamparada, sem ruído
Meu soluço raio que cai e ali morre.
Assim sobe em mim obscura dor
Neste Outono me sinto isolada
Já fui amendoeira em flor
Sou agora triste arvore desfolhada.

O sol sustém ainda minha esperança
Finda a noite, mas não finda a vida
A noite que me leva á criança
Em sonhos onde fico cativa.

Ali me deixo docemente
Num tempo que não conhece desventura
Ouço o chiar da nora permanente
Olho a minha gente com doçura.
Assisto a tudo com o coração palpitante
Aproximo-me das coisa que me são preciosas
Peço ao sonho só mais um instante
Amanhece, vão-se as estrelas enganosas.

rosafogo
natalia nuno
imagen retirada do blog imagens para decoupage