Seguidores

sábado, 1 de setembro de 2012

Pesam-me as mãos vazias



minhas mãos vazias de nada
olhar cego, poço sem fundo
calando angústias
neste resto de vida sobrada
neste meu quinhão de mundo
Nos meus dedos, há pássaros
silenciosos
no pensamento trago medos,
e um deserto de solidão
nostalgia...essa escondo no coração.

a vida feita em mil pedaços
mas dela não abro mão
a acolho em meus braços
apesar dos cansaços
a retenho no meu chão.

e se ainda tiver sorte
poder olhar lua e sol novamente
não me levará a morte!...
nas grades da sua prisão,
seguirei em frente!
não querendo nada, quero tudo
nas minhas mãos que outrora
foram mãos de veludo.

Pesam-me as mãos vazias
na escalada dos meus dias
ficam meus braços a aguardar
mais um sonho de embalar.

natalia nuno
rosafogo

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

nosso amor é louco




Partilhamos silêncios!
A ele nos remetemos...
Falo à toa...
mas, o silêncio que se abate
me magoa.
Plantamos o jardim
na esperança de o ver florir
dissipam-se as brumas do desassossego
és alívo para o meu mal
a sorrir
numa flor pego
ligados pelo mesmo pensamento
surge um estranho fulgor no olhar
é hora de amar.

Não é possível alterar
o curso do nosso rio
nem desviar dos olhos
lágrimas mornas e delicadas
nosso amor é velho como o tempo
tão velho como nossas passadas.
É velha canção de embalar
que levamos a vida a entoar
balada cheia de ternura
que cura
a minha tristeza.
Sou rosa caída no chão
te baixas a apanhar
a luz esmorece um pouco
a lembrar...a hora de amar.

Nosso amor é louco
como um bater de asas
e estremecimentos
guardo ciosamente os pensamentos
o porquê do silêncio esqueço agora
meu corpo tremeu!
Oh meu Deus...e o teu!

natalia nuno
rosafogo

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

sonho fragmentado





minha alma coberta por trepadeiras
- pelo canto do olho
avisto-a magoada,
decidida a não desistir da reclusão
embriagada, perdida e desolada,
ouve os anseios do coração
e olha triste a noite e sua cor

tudo ao redor... é escuro
noite negra e feiticeira,
dormem as flores no jardim
e eu ouço as notícias do mundo
caminhando para o fim.
não posso banir da mente
imagens que fazem sofrer
a vida é sonho de pedra
onde tendo tudo é nada ter.

hoje tenho súbito desejo
de agarrar uma estrela no além
correr p'la encosta vertiginosa
dissimulando que tudo vai bem,
mais um passo na lonjura
mais um instante a não perder,
e esta vontade voluntariosa
de sonhar até a vida esquecer.

natalia nuno
rosafogo
imagem da net




A LUZ INTENSA DO PENSAMENTO



























A vida passa de mansinho
que nem sei...
se ela passa, ou eu por ela!
Não sei...nem adivinho!
Sinto nela como uma cela
Onde a luz é nebulosa
e a verdade silenciosa.

Mas a luz sempre volta
Com a força do querer
E a vida desabrocha
Já nem penso em morrer.
Nas minhas palavras há,
palavras de despedida,
também nelas
estridem gargalhadas
e gritos de vida.
Pois que apesar de humildes
não se ficam caladas.

Quando me mata a saudade?
Tudo me vem à lembrança
Não tive brinquedo é verdade!
Mas fui verdadeira criança.
Hoje ao ver que a vida passou
Sou...como girassol desfolhado
O que houve não voltou
Mas voltei eu ao passado.

natalia nuno
rosafogo
imagem da net

domingo, 26 de agosto de 2012

Cansaço



Caminho por aí
sem saber o que fazer a seguir
mergulho mais ali,
será loucura este existir?
Tudo à alma me sorri
e de tanto correr
falta-me o que ainda não vi,
sem nada vislumbrar
como hei-de saber
o tempo parar?
Abismo sem fim
e o tempo ausente
o vazio em mim
a escoar-me a mente,
morro à beira do cais
a sós com meus ais.

E esta fome intensa
de saber quem sou
e para onde vou,
traz-me saudade imensa
que caminha pé ante pé
e me diz quem fui
e me persegue até
findar o caminho
e o tempo que vem,

que hei-de ir mais além!

Nada me detém
impossível agarrar-me
sou vento suão
que vem do além
levo  no coração
quem não soube amar-me
mais um empurrão
que a vida me deu
caminho por aí
ausente...nem sei se sou eu!.

natalia nuno
rosafogo
imagem da net