Seguidores

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

lembranças miúdas IV

























Há imagens na minha memória umas vezes densas outras claras, e é entre o deitar e o adormecer,
que elas surgem como pássaros voando, ou como faróis acesos e fazem render a minha saudade.
Então é como se minha cabeça fosse um prado verde em Maio de onde não arredam pé. passo a olhar o ondular dos trigais, e eu sou uma andorinha espantada tocada pela emoção, salto prá beira do rio e gosto da imagem nele reflectida, colho flores que coloco no cabelo e a paz me acompanha, e tudo é tão real como a esperança em mim. Canto uma velha canção que guardei na memória como um tesouro, e há chilreios vivos, borboletas voando, besouros à volta dos figos pingo-mel, e o rio correndo ao mar...e eu lá, sempre pedindo para ficar.
Logo, logo, daqui a pouco o outono, o sol se deita mais cedo, e o pavão abre suas penas a despedir-se do dia, passa o último carro de bois na estrada poeirenta, atrás o cão preso à carroça, e na frente o boeiro cansado da jornada em passo lento, na esperança de ser breve a chegada a casa.
Estação dos ventos, dos caminhos molhados, está aí à porta o inverno a convidar as conversas junto à lareira acesa e ao conforto dos cobertores de papa...ah! Mas antes, é preciso ir à fonte, nos braços a filha, à ilharga  ou à cabeça a bilha e a noite desce, o céu sem estrelas, a lua não aparece, o tempo faz medo, mas as brasas continuam a arder...e eu não vou esquecer. Saudades de mim.

pequena prosa poética.


natália nuno
rosafogo
imag. net

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

lembranças miúdas...III


pequena prosa poética

Há p'los campos flores baralhadas, remando contra a força do vento, assim morrem os sonhos no silêncio dos que sofrem de saudade, ao peso das lágrimas. Vivem-se assim tempos de asperezas onde o ...
remédio é resistir às pressões do dia a dia.
Ando prá qui de pensamento em pensamento, interrogo-me constantemente do porquê de nem as flores escaparem e numa rapidez espantosa, serem despetaladas no encontro com o tempo.
Oscilante é a vida,ameaçador o tempo, indiferente é já a vontade e tudo fica assim mesmo, só o coração pode mudar, e transformar o nevoeiro instalado em sol, abrindo o verão e agasalhando de novo a esperança.
Seja manhã ou já tarde do dia, tudo chega ao fim, não lamento, pois trago em mim Poesia, que é festa no coração partido e é dança nos meus dedos ou até flor cheirosa no jardim...saudades de mim.


natalia nuno
rosafogo
ima.net












 

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

um resto do sonho...



reflecte-se a lua sobre os telhados
a frescura da noite roça-me o rosto,
vinda da folhagem do salgueiro,
ali do lado oposto.
trago os olhos fatigados,
mas hei-de subir a encosta,
com meu traje domingueiro,

solto ao vento fitas de cor
e o tempo deixa de correr
nos cabelos trago flor
nos lábios um riso florido,
e bordado a seda o lenço
com meu nome
e apelido.

e eu sem senso...
vou ter forças para tanto?
sonhos são borboletas tontas
à vida ando deitando contas,
gemeu-me o coração e eu fiquei
à espera...
e o tempo me falou...
tudo o que sonhas, passou,
e quem espera desespera.

minha esperança anda p'lo chão
silêncio em mim... e de verdade?
descubro que é a saudade
onde estou
e onde vou,
com ela abraço a vida,
causa-me estremecimento,
se apodera do pensamento,
é ferida,
que faz doer,
se cruza nos meus dias
num tempo sem saber,

que lágrimas, também são
feitas de alegrias.

luto contra a dureza
do tempo e dos traços sorrateiros
que em mim fez nascer
com clareza
e brevidade,
um pássaro os veio trazer
numa manhã de vento e saudade.

natalia nuno
rosafogo
imag-net

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

lembranças miúdas II


pequena prosa poética

A vida é um caminho longo e nem sempre fácil, não sonhe alguém que a vida é um mar de rosas, digo eu que levo experiência aos ombros, viver é ir pelo desconhecido, é tentação, é acender uma candeia no escuro e cada dia que passa é como o primeiro passo de menino, sempre aprendendo e agasalhando a esperança de dias melhores, mais generosos, molhados de sol.
Nesta história de mim, há uma paz que me percorre, mas de tempos a tempos existe uma alteridade e aí, surge um pouco de crispação e dúvidas quanto ao desejo de viver, ou melhor dizendo quanto ao sentido da vida para mim.
Mas, há sempre um solzinho que persiste em aquecer-me e a trazer-me de novo o sonho, onde pouso os risos, onde me reconcilio com a alegria e onde a saudade me faz escrever sem parar.
Nestas alturas o tempo bem que avança...bem que o cabelo branqueia, mas o Poeta em mim esquece, segue o caminho da utopia e inundado de emoção faz a poesia acontecer, tudo ao seu redor cheira a mimosas e os dias ficam mais perto, renovam-se os sentidos e os sonhos são cores do arco-íris. Parte então a princípio vacilante, depois, gota a gota seu coração reverdece abraça a vida e é nesse abraço profundo que a Poesia acontece...palavras escrevo sem fim...saudades de mim.

natalia nuno
rosafogo
imag-net