Seguidores

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

nunca é tarde de mais...





Agora sou folha de outono
prestes a ser levada p'lo vento
em dia aziago,
vai chegar o momento
flutuando sem rumo
na água dum lago,
como quem procura
água clara para beber
ou buscando a ternura
do teu olhar que me vem ver.

Agora sou folha de outono
levada pela correnteza
do rio do teu olhar
quando o vento não me cantar
vou amar-te de certeza
na orla do mar,
ou nas sombras dos pinhais
para quem tanto esperou
nunca é tarde de mais.

Agora sou folha de outono
quem pode saber para onde me
levou o vento?
para o recesso dos teus braços
para a loucura dos teus abraços
mostra-me que não há felicidade maior
que este amor!
dia a dia renovado,
que Deus nos tem ofertado.

Agora sou folha de outono
cega-me um forte clarão
nossos corpos submissos
escancarados
nosso olhar enfeitiçado
os corações amarrados
e um convite aliciante
fazer amor a todo o instante.

espero-te com a mesma ansiedade
das madrugadas deslumbrantes
e é sempre a mesma saudade
de nós jovens e amantes.

natalia nuno
rosafogo
imagem da net




segunda-feira, 22 de outubro de 2012

um sonho apenas...




lá no alto
está pousado um pardal
atiro-lhe uma pedrinha
sem o intuito de acertar
fico assim em sobressalto
foi só vontade de atirar
sinto ganas de rebolar no chão
de dizer parvoíces, gritar...
meus gestos ficaram na criança
ainda por lá estão...

balouço as pernas pendentes
meus cabelos são chuva de verão
e meus olhos são como batentes
em tudo pousam com sofreguidão
vou buscar os brinquedos
à casa da avó...
trago-os em segredo
pra não me sentir só.

o cão preso à corrente
ao longe o uivo da locomotiva
e eu sinto-me gente
sinto-me viva!

o que me falta está ausente
meu pai e minha mãe
e minha avó também
corajosamente,
prossigo sozinha
levo sonhos
nas mãos nodosas
e a criança em mim adormece
sente falta das mãos carinhosas
deita a cabeça
sobre um pedaço de bolo

mas que sonho tão tolo!

atrás duma cortina
de cores desbotadas
me vejo menina
de faces coradas
faço o caminho de regresso,
sem interesse
ah...se eu pudesse lá ficar
se pudesse!
lá no alto continua
pousado o pardal
e a lua
e eu criança sei quando faço
algo mal,
prometo não atirar mais pedrinha
deixem-me ficar
por favor, nesta infância minha.

natalia nuno
rosafogo

bem estar me leva ao orgasmo




quando escrevo, há sonhos
que se concretizam,
desejos que se amenizam
e minha esperança é a janela
de onde avisto a saudade passada
e futura
é o tudo e o nada
e as palavras recaem sobre ela
com formas de ternura
e a voz duma vida inteira

quando escrevo dói-me a alma
e ao fim duma tarde de canseira
volto atrás, procuro no entardecer
a calma
faço-me gaivota de novo em vôo
ah...se pudesse voltar além!
se pudesse ir mais aquém!
da criatura que fui e sou...
mas é tarde e a escuridão
apaga em mim os passos
abafa o soluço vindo do coração
tolhe-me as mãos e os braços.

quando escrevo há segredos
nos meus dedos
iniciam a escrever em liberdade
letras de fogo de fé e saudade
tombam porém em chuvas de loucura
escrevem e dançam
uma dança de amargura
a tudo alheios
à hora, ao instante, menos às lembranças
que estão presentes em abastança
agora e sempre plenas de esperança

quando escrevo sou como a rosa rubra
que exala o odor
aguardo a palavra que espero
livre
autêntica, que vibre
com paixão e amor...

quando escrevo o passado
surge iluminado
e o céu, o meu céu aqui...
mesmo ao lado
e ainda que me perca no futuro
e veja tudo em mim escuro
não me amarguro
porque me sinto maior
que o tamanho dum sonho

quando escrevo há um mundo
de felicidade
um bem estar leva ao orgasmo,
me põe um brilho no olhar,
um sabor doce na boca
logo tristeza é coisa pouca!
e as lembranças são viagem
no labirinto do meu pensamento
num vai vem surgem agora,
pra logo irem embora,
na aurora me vou lavar
estendo o meu lençol de luar
e escrevo até cansar...

breve tomarei o meu rumo
para lá da curva obscura
onde da vida me sumo,
porque um dia há-de ser!
chegará a desventura
num louco entardecer...


rosafogo
natalia nuno