Seguidores

sábado, 4 de dezembro de 2010

AMOR














AMOR

Quem disse ou crê que o amor é só agonia?!
Amor é uma bela rosa com pétalas de emoção
São candidos os minutos ao amar-se dia a dia
É o madrugar dos olhos, saindo da escuridão.

Amor é uma chama ardendo, é puro incenso
É a dor real que não se vendo está presente!
É chama que ateia em delírio em fogo denso
Brasa  que dói  que se deseja de tão contente.

Assim quanto mais arde , posto que é chama?!
Mais inflama e não importa de amor morrer-se
Desejo na hora, coração sofrendo, assim se ama.

Ponte do amor à saudade, da saudade à agonia
Mais vale a ferida lenta do que amor perder-se!
Amor, sonho e emoção, entre um dia e outro dia.

rosafogo
natalia nuno

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

SE É DOR AMAR



SE É DOR AMAR

É dor amar, e dor é não amar ninguém!
Amar e não amar é dor sofrida o peito dói
É dor sofrer o desdém do olhar de alguém
É tudo dor , a dor que o coração destrói.

Tanta dor os golpes do amor pelo caminho
Afrouxa já o sol no fim desta encruzilhada
Saudades se transformam em beijo e carinho
E o Amor é já uma lágrima no rosto enrolada.

E se é dor amar?! Amar é a alguém querer
È benção  levar a vida a afrontar bendita dor!
Trazer o sonho e esperança sempre a crescer.

É querer bem , a quem bem nos quer também
Amar é dor, é ferida de quem ama e é sofredor
Sem amor, é ter tudo e nada ter, é ser ninguém.

rosafogo
natalia nuno


Este selinho, bem lindo foi-me oferecido pela minha querida amiga
SONHADORA a quem estou grata pela amizade e presença neste
meu blog.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

AS LINHAS DA MÃO












AS LINHAS DA MÃO






Olhei a palma da minha mão
De linhas bem defenidas
Por cada desilusão
Umas quantas linhas perdidas.
Passou o tempo, eu arrancada
Até que chegou a hora!
Na ultima curva da estrada!?
Uma verdade me apavora.

Já a esperança se estilhaça
E a alegria lágrimas não pára
Assim é a vida que passa
E a saudade que não sára.
Olho as linhas da mão
E a verdade se encaminha
Dizem elas ao coração,
Que triste é a sina minha.

Caminho e deixo pégada
Levo os olhos sem pestanejar
Sigo livre na caminhada
Mas levo a alma a embaciar.

As linhas da minha mão
Morrem quase inteiramente
Mas eu já não luto, não!
A Vida me leva p'la mão
Mas meu rosto levo ausente.
Peço respostas às linhas
Falo-lhes de mil maneiras
Falam das saudades minhas
Mas esquecem as canseiras.

Dizem -me que é curta a viagem
Que há muito acabei de nascer
Que a vida não tem paragem
E que um dia? Vou morrer!

natalia nuno
rosafogo

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

NO VAZIO DE MIM












NO VAZIO DE MIM

Hoje o sonho me foge
Já não lhe apanho o passo
No vazio  de mim
Me faço e desfaço.
O sonho me foge hoje
E eu me volto a rasgar!
Perco da vida a cor
Sem esperança pra queimar.
Meu coração sem calor.

Não há cheio, nem vazio
Só uma saudade presente
Que corre em mim como umrio
Numa incontida torrente.

Não há nada nem ninguém
Este sonho passa voando
Tempo meu ficou aquém!?
Já nem dele estou lembrando.
Nesta estação já sem folhas
Sou àrvore de algum dia
Tão quase nada... poeira
Sou um livro que desfolhas
Minha vida e companheira.

Pássaro saido do ninho
Seduzido p'lo chilreio
Deixo-me à beira do caminho
Meu sonho a mais de meio.
Já há muito estou de pé
Já o tempo me faz medo
Mas não gastei minha fé
Coração a Deus concedo.

rosafogo

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

NÃO CONFUNDAM COM TRISTEZA














Tenho a alma perfumada
com a fragrância da nostalgia
Mora em mim esta saudade
uma jarra de liberdade
com flores de fantasia

Não confundam com tristeza
memórias de outros tempos
São todo o meu relicário
um mundo de sentimentos


Não posso mandar para canto
amores, lágimas e pranto
felicidade e resquícios de alegria
nem vivo no desencanto
apenas trago no peito
memórias de outros dias

poema de Nanda Esteves, que de gostar tanto
o trouxe para o ORVALHOS.Obrigada Nanda
me revejo inteiramente nele.









Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=163186&sms_ss=facebook&at_xt=4cf2e8a9161856dc%2C0#ixzz16hD4nrJD

Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

domingo, 28 de novembro de 2010

SEREI CONTRADIÇÃO













SEREI CONTRADIÇÃO

Meu caminho é já uma imensidade
Trago nele um cheiro a terra molhada
À noite, descanso na saudade
De dia sinto a vida a fugir, lembrança passada.
E há lembranças no meu peito em brasas
Me abandono nelas como se fossem tempo presente
Lembranças chegadas de longe, trazem asas
Impossível é o regresso é sonho sómente.


As desenrolo nas insónias, e me deleito
E nasce um sonho imenso maior que o mar
Sou livre nesta morada onde me deito
E onde fico livre só para amar.

Estas lembranças mantêm vivo meu caminho
e meu querer.
E eu persisto que meu corpo há-de resistir
Hei-de desdobrar o tempo vizinho
hei-de viver
O tempo esse ignora o meu querer,
serei contradição, saberei fugir.

Memórias que são lenha p'ra me aquecer
Que ao recordar me deixam enfeitiçada
De madrugada me deixam adormecer
Para redobrar forças nesta minha caminhada.



rosafogo
natalia nuno