Seguidores

sábado, 24 de dezembro de 2016

arrebatamento...



ante o teu corpo junto ao meu... vou sonhando
prossigo  inteiramente tua, do sempre ao agora
descubro a tua força, enquanto tu me amando
segredo aos teus ouvidos, rogando mais na hora

a loucura, o sonho, esse que vive junto ao meu
é como uma cascata de sede, que nos aprisiona
vejo o mar no teu olhar, fica o meu preso no teu!
esse corpo desencaminha o meu que se abandona

e nessa loucura ... o sonho me leva com paixão
somos como um vendaval q' palpita aprisionado
a plenitude é um mudo instante, e logo é extinção

procuramos inutilmente o amor ainda em chamas
foi-se em longínquos dias, em silêncio devorado
resta lágrima que nos afoga, e o dizeres q´me amas.

natalia nuno
rosafogo






quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

lavro versos...



tento afogar o nó que me prende
a este frio intenso que me rasga
lavro versos, versos, sigo em frente
e nem palavra alguma me engasga

sonho, e sinto desejo em  cada linha 
lavro versos, com verbos d' claras raízes
enquanto a memória tem sol e caminha
em  risco, até que que tu vida me ajuízes

se a morte me enclausurar na sua torre
jamais a palavra poderá vir a  morrer
quem lavra versos também nunca morre!

simplicidade extrema, és fogo que ateias
e eu sou noite ou  dia um violino a arder
sede de rouxinóis em afã nas minhas veias.

natalia nuno
rosafogo

A TODOS OS AMIGOS, que visitam este blog homenageio com este singelo soneto, desejando-vos Boas Festas e Bom Ano Novo.



a vida é fogo...



a vida é fogo, viagem que não se detém
arvorada em gritos d'alegria também d' dor
apertado nó que ninguém desata, porém
vertiginosa trepadeira, onde existe amor.

a vida é um sopro de sonoras subtilezas
nela se desenlaçam lembranças vividas
águas adormecidas, são trinados, belezas
umas recentes, outras há muito nascidas

a vida é água agreste, pura e cintilante
corre arrebatada como a querer escapar-se
enfeitiçada vive e é só mais um instante

numa melodia constante até ao sossego
pronta a cumprir destino a despenhar-se
ali onde a morte à vida não mais tem apego.

natalia nuno
rosafogo





terça-feira, 20 de dezembro de 2016

no vazio



passaram os anos de maior vigor
agora amor...vamos acenando à vida
com um adeus animador
seguimos com coragem
esta viagem, incansavelmente
já que a vontade de viver
ancora ainda no nosso horizonte
e tudo faremos para a manter
às vezes, a taciturnidade se abeira de mim
e logo uma saudade sem fim
a querer perpetuar o horizonte dos meus sonhos.

o tempo invisível, partiu
apagando-se no silêncio, no vazio
num lamento doentio...a alegria já emudece
surgem , lágrimas e pensamentos de
resignação,
a este tempo que nos isola,
que à nossa pele se agarra como uma
prisão,
trago a sede no ouvido, do meu riso
trago sede de regressar ao calor do teu olhar
escondo-me num recanto da memória
e é aí que  sei amar-te
ocupo os degraus da minha imaginação
fujo dos golpes e dos redemoinhos
levo-te no coração
e por atalhos vou sonhando à procura
de outros caminhos.

o tempo não abdica nem de ti, nem de mim
escuta os relógios e a sua pressa
 sempre com a mesma obsessão... a de nos levar o coração
mas em nós habitarão quimeras sem fim.

natalia nuno
rosafogo