Seguidores

sábado, 17 de agosto de 2013

esta sede...



o tempo desliza
e eu sem pressa
bem que me avisa
que parte e não regressa
esta sede de beber
e querer à vida sempre mais
parar o tempo num sítio qualquer
não lembrar dele jamais.
a alma suspensa
em doce tranquilidade,
assim me consinto
inventar felicidade.

negar-me ao medo
cingir a vida
fazer de conta que ainda é cedo
sentir cada veia viva
deixar-me da tristeza despedida
e nesta vida que ainda me tem
que o sonho vá mais além...

e diz-me o tempo mordaz
que passa e não se apieda
ainda sou capaz
de tornar mais amarga a queda

natalia nuno
rosafogo
imag.net

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

numa dança maior...



na hora em que as sombras aparecem
perdidas no crepúsculo dourado
gaivotas dançam sob as águas
serenas,
dum mar silencioso, que aguarda
a claridade da lua...
tudo é doçura na solidão
do meu sonho
e  numa aliança de amor
tu és meu, e eu sou tua.

a vida é viagem que não se detém
às vezes desço no tempo
para me encontrar de novo
contigo, mas é alucinação
onda que vai e não vem
cegueira dum instante, ilusão
dor que não desejo a ninguém.

amdam as gaivotas numa
dança maior,como querendo à noite
escapar,
vivo eu um sonho de amor
tentando o tempo parar.

natalia nuno
rosafogo







segunda-feira, 12 de agosto de 2013

o vazio das horas...


ao redor o vazio da horas,
o tempo cansado
deixando para trás o rasto
duma vida.
o sonho delapidado
é aroma de flor perdido,
indefesa na realidade
refugio-me na saudade.

as palavras são um jogo
falaz
que prometem e não cumprem
e o vazio que está por detrás
é frio na memória
onde jazem já algumas
recordações
ali prisioneiras
em sua quietude,
uma vez e outra, tento libertá-las,
quer sejam de dor ou de alegria
ou tão só de nostalgia.

até ao esquecimento de mim mesmo,
nostálgica, viverei encarando a vida,
abro as portas do olhar
de par em par
ainda que seja um breve e
ilusório tempo...tempo de despedida.

natalia nuno
rosafogo