Seguidores

sábado, 11 de fevereiro de 2017

poema desconexo...




no dia em que não exista se apague de vez
meu sopro...ficará mais frio e solitário
o meu lugar, desperdicei os anos para perpectuar
o que mais amei, e o que levarei?! Nada!
só a mágoa na alma tatuada...
no poema a imagem da minha face retida
desfocada pela idade, com sulcos provocados
pela saudade...nada sei e nada quero saber
de repente não sou mais aquela mulher.
há ecos nos degraus da minha imaginação
cada dia mais cansada,
que são como violinos de trevas
vivo abraçada à bruma e não espero
já, coisa alguma...

neste instante, tenho diante de mim
o relógio que marca o tempo que não abdica
de passar, e o coração triste fica...
ama por amar.
só se ouve o vento
e o silencio se impõe nestes poemas
em páginas brancas caídas ao chão
com ninharias urdidas, com gargalhadas
de desdém, sombras  ignoradas
onde a minha mão
subtil, mas porém forte
não quer escrever sobre a morte
quer persistir no sonho
quer ser veleiro chamado vontade
quer o livre arbítrio de viver na saudade...

natália nuno
rosafogo