Seguidores

quinta-feira, 22 de junho de 2017

meu canto se nutre de ti...



falar do meu sonho, algo mo proíbe
trago no rosto o olhar de verde terra
no coração a criança que ainda vive
no passo a lentidão q' o tempo aferra

meu sonho só o teu regresso espera
logo o júbilo no coração me surge
não quero morrer de morte austera
vem então depressa q' o tempo urge

em vão, não se vive ... a ser verdade?!
estarás tu para sempre a mim unido
demasiado antiga é esta nossa idade

somos agora o outono, outono lento
amas-me ainda, n' tudo está perdido!
à que se perde em mim, sorri o alento

natalia nuno
rosafogo

quarta-feira, 21 de junho de 2017

minhas sombras...



tuas mãos sossegam o meu receio
quando o sol não chega onde a sombra habita
esta sombra que me invade
esta amargura crescente de onde me chegam
meus poemas, esta saudade,
ando louca como pássaro no cio
chegar-me-ei ao rio
e o espelho das águas me dará uma razão
para que minha loucura abrande
no tempo que trespassou meu coração

surge a noite de olhos escuros
e as tuas mãos sossegam meu receio
vem o vento de poente traz os dias duros
e a vida vai a mais de meio

o tempo, sempre o tempo, sem tréguas dar
choram os salgueiros da beira rio
nossos olhos, nossos beijos vão cruzar
ando louca como pássaro no cio

já o sol decai na nossa vida
já tudo ao nosso redor se aquieta
nossos corpos trazem a lição aprendida
alheios abandonamo-nos ao sonho que nos liberta.



natalia nuno
rosafogo





domingo, 18 de junho de 2017

choro ao afastar-me...



despojada vou envelhecendo
restam-me os versos que faço com agrado
tudo se foi perdendo
tal como o sol que se acaba no prado
as memórias vão esvaindo num céu intenso
e o coração em turbilhão tudo encerra
digo adeus às lembranças acenando lenço
e duramente p'la morte fico à espera
morre a menina de malha na mão
e arco à cintura
e  vestidinho de verão
como nuvenzinha levada p'lo vento
com ternura,
deixa-se dormir lá p'lo firmamento

a vida é bola de sabão
que a todos enamora
vai do crepúsculo à aurora
volta a subir ou talvez não!

trago comigo, tanto passado
tanto, tanto como um longínquo mar
de tanto, tanto ter amado
só meu olhar o sonda e lhe pode chegar
a minha voz já é um pouco rouca
e a luz em mim é já tão pouca
como me lembra a rapariga
q' inda em mim se abriga...
no peito apertada com ingénua paixão
enquanto nesse peito bater o coração

natalia nuno
rosafogo




sexta-feira, 16 de junho de 2017

caminho que não oferece regresso



com passos rígidos enfrento o caminho
meu tempo é desanimadoramente curto
a noite abre clareiras mais um dia prestes a raiar
entrego-me contra vontade  e nem adivinho
as ondas agitadas que terei de amansar
há becos apertados neste caminho
e sombras a impedir o azul no meu céu
os pensamentos agitam-se  como asas de pássaros
e já a saudade no meu peito cresceu

sinto assim o caminho percorrido
não me disponho a chorar
nem de mim a ter pena
num torvelinho recordo o tempo vivido
deixo-me na saudade ficar
sinto-me percorrida por uma certa calma
interior, consciente do meu sentido de lealdade
e amor ...
para com o Pai que sempre hei-de louvar!

às vezes há um frio mordente
que me domina, que me deixa num estado
obscurecido, veemente
deixa meu dia a dia infectado
como doença que me pegasse,
e me deixasse uma certa fragilidade
dias tristíssimos que não evocam esperança
caminho que não oferece regresso
e do presente já tanto me esqueço

mas etérea é em mim a saudade
que trago do meu caminho de criança.

natalia nuno
rosafogo



quinta-feira, 15 de junho de 2017

o olhar estendido...



vejo o sol a erguer-se na imensidade
do horizonte
o mar desdobra-se até lá
diante dos olhos uma mágica visão
assim deixo correr os dias sem os contar,
olhando o céu, deixando a alma retemperar
a tarde cai, retomo o caminho meu
afadiga-se a imaginação
e o astro lá... no céu
a recolher num silêncio
arrebatado, foi curta a duração
por cima da minha cabeça aves de passagem
daqui a pouco a lua a iluminar
fica a penumbra e os meus dedos palpitando
na escrita... e a desdita
do meu corpo esquecido,
faz-se noite, mas o dia sempre ressuscita
só na minha alma, se crava com impiedade
a saudade de todo o tempo vivido

uma e outra vez volto a sonhar
meu sonho é como navio encalhado
que se abate sobre a ondulação
e meu coração a pulsar
teimoso, num sussurro ignorado.

a noite às vezes enche-me de pavor
outras, de uma amada sensação
nada afinal mudou, nem o amor
que pretende sempre ressurgir no coração
sempre a vida se renova
e algo me faz saber
que o sonho cresce e é a prova
que dá asas ao meu voo e me faz viver

natalia nuno
rosafogo






quinta-feira, 1 de junho de 2017

ausência...



puxa-me ao teu peito
e aperta-me até fazer doer
a tua ausência deixou uma ferida aberta
e a minha espera permanece
assola-me o frio na noite deserta
aperta-me contra o peito, faz-me esquecer
que a dor também se esquece!

assedia-me a tristeza, abre-se a noite silenciosa
e, nela ecos que nos unem, ressoam na mente,
sinto-os docemente, como um vento
a querer abrir-me a boca
e como louca, aceito o beijo num beber doce
como se de verdade fosse...

- mas, sei que me engano
e cai uma lágrima em busca dum rosto,
que já foi luar,
irrompe dos meus olhos como um mar,
em sonhos, sinto ainda a recordação
do tempo que trazia aos nossos dias odor a jasmim,
lembro o teu corpo de desejo,
agora... de ausência em mim...

natalia nuno
rosafogo




Obrigado...


a todos estes meus leitores que a cada poema que partilho estão presentes neste meu blog, venho agradecer, são o motivo desta minha escrita... é o cume dum grande privilégio contar convosco, para que as minhas mãos não silenciem , nem a abrasadora sede de escrever e o sonho não acabe, criando assim sempre mais um poema que carrego nas minhas asas invisíveis, com palavras trémulas e remotas, com a pureza de quem se entrega por inteiro......à Poesia.
OBRIGADO