Seguidores

sábado, 23 de fevereiro de 2013

lembranças miúdas IX

 


pequena prosa poética

Esqueci a fórmula mágica de a agarrar, corro atrás dela, mas ela não pára, corro ainda mais
mas ela não espera por mim...decido então passear entre as árvores, entre os arbustos em flor,
não me sujeito ao tempo...! E aqui está a felicidade sem correr atrás...
À chama da candeia, nasceram minhas primeiras palavras, com a limpidez da água, o vermelho das amoras, o chilrear dos pássaros e o rio era a travessia entre o sonho e realidade, dele nunca me afastei, ainda hoje é lugar no pensamento, ele é a voz da felicidade que me transporta ao passado, por entre o nevoeiro e as tílias, ali, corre entre o céu e a terra, como se estivesse à minha espera. Bate-me o vento na memória, as palavras são agora as pegadas onde me reconheço, soltam-se como cinzas na terra que pisei, e ali meus olhos de criança vão morrendo aos poucos. Já o sol declina, e meu coração fica preso à água que canta e corre sem retorno, tal qual esse olhar à espera de morrer...
O entardecer me conhece, tantos entardeceres passaram, tantos murmúrios ecoaram, tantos dias e noites vencidos, que o pensamento adormeceu...e o silêncio se instalou, nem uma folha mexe, nem um sussurro do vento, morrem minhas palavras inacabadas e assim...saudades de mim.

natalia nuno
rosafogo
imag-net

lembranças miúdas VIII


 
 
pequena prosa poética

Movem-se os ramos das árvores numa infinita liberdade, sorriem parecendo humanos, ao lado, aqui ao lado direito da estrada, uma casa abandonada, castigada pelo tempo, porta e janelas escancaradas, no interior crescem arbustos que se debruçam na janela, espreitando o sol, também a chaminé continua erecta, no cimo orgulhosamente duas cegonhas conservam o ninho, aguardando a descendência que chegará breve, já na primavera. Afinal a casa vive! Só os que partiram não viverão jamais...
Ali corre uma ribeirinha, indiferente, corre noite e dia sem respirar, numa corrida perpétua, abandonou a memória dos que nela bebiam sofregamente e agora apenas um falcão ou uma águia real, cortam a distância para beber seu conteúdo que é vida.
Sigo viagem, bem aconchegada, olhando o manto verde que se estende perante meu olhar, onde as pequenas margaridas já espreitam, sonhando abrir logo que o oculto sol reapareça, e eu vou sonhando com as alcachofras, com o céu, com a terra, com o destino dos humanos, e na mente levo a casa e o que no oculto ela esconde...
No regresso volto a avistar tudo de novo e meu coração acelera, a imaginação cresce à minha medida, e no lusco-fusco do entardecer, ouço os passos, as gargalhadas, os choros, e até sinto a fome de pão destas gentes que aqui viveram e morreram. Ali, na tristeza, também as árvores de fruta reclamam ser tratadas, ainda assim não se negando a florir.
E daqui a pouco a lua que tudo observou, está aí, com ar triunfador, pois só ela resiste...
esgotei a palavra, não consigo ordenar a desordem do pensamento, fecha-se o meu ângulo de visão, embebeda-se minha memória, já me perco entre vivos e mortos, como planta de caule frágil que aguarda erguer-se e sorver a vida... neste tempo levo assim... saudades de mim.

natalia nuno
rosafogo
imag.net

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

PARTIDA

Faleceu repentinamente o amigo Poeta jornalista brasileiro Júlio Saraiva amigo que sempre estimei,  ele me considerou também amiga, elogiando minhas simples palavras, e desabafando comigo através de mensagens, é portanto um dia triste, fui apanhada de surpresa tal qual a morte o apanhou a ele...

Ainda dia 18 deste mês concordávamos os dois que exageram na venda dos livros e nos pedidos de leituras daquilo que escrevem diáriamente, o que se torna cansativo e mais parece um site de mercadoria e de empurra...penso eu tal como ele pensava que as pessoas têm de ser livres, ler quem querem e o que querem...

Deixo aqui para recordá-lo enquanto andar por cá sua última resposta ao comentário que lhe fiz.


Julio Saraiva Natalia Nuno, não é, minha amiga. convidar para o lançamento, participar, acho importante. agora tem pessoas que transformam seus livros em mercadorias. acho que esse tipo de coisa vulgariza a obra e o autor também. beijo e saudade, minha boa amiga. j.

  • Natalia Nuno Retribuo o beijo...desejo tudo bom para si meu amigo... agora acrescento, até sempre amigo Julio Saraiva.

  • lembranças miúdas VII




    pequena prosa poética

    Hoje o céu desaba, tenho saudades do céu azul e brilhante... o dia está cinzento parecendo com
    pressa de desaparecer, sinto-me triste, aperta-se o peito num nó e é perturbador sentir que o cinzento do dia me vira do avesso...é como se tivesse encharcada até aos ossos, e não conseguisse escapar à tempestade.
    Meus olhos que são verde terra, com rugas em volta, e sorrisos de raios de sol, hoje estão dum negro profundo, com lágrimas batendo nos vidros, como pequenas gotas de chuva escorregando pelo rosto, basta fechar os olhos para apenas ouvir o som das notas harmoniosas e concentrando-me, na minha mente surge uma nuvem branca como bola de algodão...meus olhos meio abertos e sem brilho sorriem agora com o fulgor duma fonte que espalha mil gotas de água brilhantes...ouço o canto, as notas são dum alaúde, será sonho? Ou estarei à beira de adormecer lembrando alguma ária musical da minha juventude? Não! É apenas o fogo da minha imaginação, minha ansiedade oscila como o vento, e eu sou um pássaro feito desejo, que sabe que não é sempre inverno, que outra primavera há-de chegar, é assim que eu penso, é esta a minha força.
    De saudade me comovo, desço p'lo tempo e através de imagens regresso a criança, e aí começa o sonho, meu coração renasce, sai da gaiola onde esteve prisioneiro, e o tempo esboroa-se em pó... e liberta, sou mais eu, esqueço a cilada do tempo, simplesmente assim...saudades de mim.

    natalia nuno
    rosafogo
    imag. net


    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

    Se minha saudade é verdadeira?





































    de onde sopra o vento
    que me arrefece as ideias?
    me adormece o pensamento?!
    minhas rugas são teias
    dum tempo sem dó
    duma noite vazia
    de onde parti só...

    que me importa a opinião alheia?
    meu pensamento acorda e adormece mudo
    deixai falar! meu ouvir é surdo...
    nada vale o sossego que é minha postura
    que não troco por coisa alguma
    deitei os medos acordei as esperanças,
    levo lembranças...
    será pura ingenuidade ?
    arrisco viver assim,
    opinião, diz-me respeito a mim,
    se é ou não sincera minha saudade.

    calor nos afectos, isso me basta
    e a saudade que não tem preço.
    a cada dia fortaleço
    e na poesia que invento
    surge a verdade que sou,
    e a memória do que passou.

    natalia nuno
    rosafogo
    imag-net.



    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

    Oh! Saudade onde me faço cais...



    sou barca, vogando em maré cheia
    sem destino neste monótono mar...

    barca fantasma sem rumo ou ideia,
    que anda à procura sem se encontrar.

    sou barca à deriva num poema lento
    olhando fins de tarde buscando certeza
    uma saudade imensa e nu o pensamento,
    na boca beijos a que ainda estou presa.

    remoto o tempo na distância percorrida
    derradeira esperança levo ingenuamente!
    não páro que o tempo me leva de vencida

    navego neste mar... onde não sou mais
    nem onda, ou maré, ou sequer corrente
    apenas saudade onde me faço cais...

    natalia nuno
    rosafogo
    imag-net


    E o que é o amor?





















    E o que é o amor senão isto?
    Palavras que se gosta de ouvir
    Dizer ao outro: estou aqui existo
    Estou aqui para te sentir...

    E o que é o amor senão isto?
    O sonho duma caminhada decidida
    Dizer estou aqui eu te conquisto
    Marchemos juntos no sonho
    que é vida...

    natalia nuno
    rosafogo
    imag-net.

    domingo, 17 de fevereiro de 2013

    SAUDADE ONDE ME FAÇO CAIS


























    Saudade onde me faço cais

    Naufraga vou rasgando as madrugadas
    Em busca de mim naquilo que sou
    Pedaço de sonho que a vida enclausurou
    No repicar do sinos, tristes badaladas.

    Papoilas, malmequeres, pessoas amadas,
    O rio entre margens e o tempo voou
    Só memórias restam do quanto se amou
    Como bagas de suor em lágrimas mudadas.

    Fiz-me peregrina do espaço sideral
    Amazona do futuro a chamar-me lancinante
    Viandante das estrelas e do nunca mais

    E as palavras que me restam são o sal
    Com que tempero a vida a cada instante
    Oh, saudade onde me faço cais!



    Em 17.fev.2013, pelas 23h00

    PC

    SONETO que me foi dedicado pelo Poeta e amigo Paulo César, a quem agradeço o carinho.
    Amei o soneto, está maravilhoso, genial, é assim como um pedaço de mim, ou melhor dizendo nele me revejo
    por inteiro.