Seguidores

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

PEDAÇO DE VIDA


O caminho desce abruptamente
Vou descendo por entre penedos
De quando em quando uma estrela reluzente
Para alumiar meus medos.
O lugar é escuro e cheira a frio
Caminho agora por uma vereda
E o coração bate-me no peito,
vadio.
Sem jeito!
Nem medo de alguma queda.

Tantas ervas daninhas,
desvio o olhar
Das tristezas minhas
Desta vida turbulenta
Na esperança de a ver espelhar
Depois de alguma tormenta.
Perco o sentido do tempo e do espaço
Com um pedaço de vida emprestado
Deito contas à vida,
as mangas arregaço.
E um pouco perdida,
Levo por diante este meu fado.
Enquanto o tempo?
Esse continua emsombrado..

rosafogo
natalia nuno

imagem do blog
imagens para decoupage

Sem comentários: