Seguidores

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

NESTE RASTO



Meu sangue é vermelho e inunda
O rosto que já não conhece
Na minha alma abunda
Uma chama oculta, dor que transaparece.
Vou passando p'la areia lisa
Já sem palavras me afasto
É o tempo que minha alma pisa
Neste rasto de pisadas me gasto.

Deixo-me beijar pelo friagem da brisa,
Carregada de sal, dos anos vividos,
É minha alma, quem o tempo pisa...
Assim se vão quebrando meus sentidos.
Jazem mortos,
o tempo os levou p'la mão
Devorou-os sem se afastar um passo
Vermelho é o sangue
do meu coração
Meus passos sumiram com a rebentação
Acabou meu dia,
já à noite me abraço.

natalia nuno
rosafogo

imagem retirada-blog de imagens para
decoupage

Sem comentários: