Seguidores

terça-feira, 9 de agosto de 2016

bilhete de viagem sem regresso


as palavras deslizam no silêncio
como o orvalho que desce da planta ao chão
e o verde água dos olhos desce com agilidade
ao coração,  a madura saudade
como cetim, toma posse de mim,
o pior é quando chega imensa...
e me ameaça, agarrando-me as asas
vigiando-me os passos, trazendo com ela
o dom de abrir feridas, do tempo calado
para sempre... abraça-me, enternece-me com
o lembrar da menina da minha idade
ai a louca saudade, que me faz companhia  dia a dia
sem me deixar descansar.
a memória é nuvem de pó, às vezes me deixa só!
as memórias ardem-me no peito sem parar...
recolho as palavras, endureceram as consoantes
e as vogais, não são doces como antes, e
jogam às escondidas com meus ais...

a minha voz já não é daqui
meu coração já abranda
o meu sonho é como água a despenhar-se
sobre o que já vivi, no peito
abraço a vida que foi uma longa noite,
comprida, com pedacinhos de luar
apenas um esgar, o bilhete da travessia
até chegar o dia...

natalia nuno

Sem comentários: