Seguidores

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

COMPANHEIRA DA MORTE AMANTE

H. Zabateri decoupage

A geada me quebra,
Mas meu coração escolheu viver
Se mudar esta sorte
E o frio me arrefecer?
Surjirá a visão expectral
da morte,
e no peito um vendaval
reclamando que é hora.
Sentir-me ei a afastar da terra,
irei embora,
com flores e odores.
A alma, a levará os ventos
Tocarão os sinos
Ouvirei lamentos.


Provarei o sabor
da terra molhada
Despedir-me-ei do horizonte
E irei do nada para o nada.
Um pedaço de terra a monte.

Ali os restos ficarão caídos
Não se ouvirão mais gemidos.
A VIDA é este apagar!
É este machado cortante
Traz o desejo de enganar
É companheira e
da MORTE amante.

rosafogo
natalia nuno

imagem retirada do blog decoupage.

2 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Magnífico poema.
Simultaneamente triste e verdadeiro, mas ainda assim muito belo.
Parabéns pelo teu talento.
Beijos, querida amiga Natália.

Natalia Nuno disse...

O dia cinzento, chuvoso e melancólico, originou este poema também ele triste.
<gostei da tua visita, grata meu caro Poeta e amigo.

Beijinho da
natalia