Seguidores

terça-feira, 8 de novembro de 2011

CANTAR COMO QUEM CHORA

H. Zabateri decoupage

Renasce a vida no olhar
Palavras não conseguem dizer
Deste meu deslumbrar
Deste meu divagar
Que o olhar diz sem querer.

Abro asas à imaginação
Ideias que vêm e vão
Todas com a cor verde da esperança
Com seu quê de tempos ídos
Lá ao longe a criança
de cabelos desprendidos.
Mas o outono chega cedo
Fico à espera nem sei de quê
Minha alma é desasssosego
E o futuro já se antevê.

Minha boca canta minha alma chora
Meus olhos são berço de embalar
a lágrima que neles mora
num amargo insinuar.


natalia nuno
rosafogo

Sem comentários: