Seguidores

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

as paredes de minha casa...



Agora sei do meu lugar
depois de tanta recordação amontoada
dos sonhos que trago do alvorar
da palavra espantada, exaltada
do fio do meu pranto
sei do meu lugar.

Este lugar de vã canseira
onde as mãos não param de se agitar
onde surge a palavra desesperada
e os primeiros esquecimentos,
aqui é o meu lugar
antes que tarde seja
aqui deixo meus pensamentos.

Este é o meu lugar
onde ressuscito memórias
e conto meus dias no mundo
nada, nada depois que a vida acabar
eu posso como agora procurar
no meu eu mais profundo
aqui, agora é meu lugar

Esta mão que escreve sabe
que este é o seu tempo e seu lugar
até os olhos terem vida
e enquanto a morte apenas farejar
este é o meu lugar
onde me deixarei adormecida.

natalia nuno
rosafogo

2 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália


A escrita são tuas casas
Será sempre o teu lugar
É nele que existem asas
Que te faz sempre voar!


Quem de sua casa fez bons alicerces, as paredes serão sempre seguras. E as tuas o são sem a menor dúvida! Podes escrever a toda a hora, tudo que te vai na alma, desde que isso te deixe mais calma!

Depende de nós impor o ritmo á vida! Fazermos com que os dias sejam alegres mesmo em dias em que tudo parece querer desabar! A minha força está contigo! Estás proibida de desânimos! Quero continuara a ler teus cantos no tempo presente, e no muito que ainda está para vir!

Beijo

João

Natalia Nuno disse...

Sempre um bom amigo com palavras mágicas que me trazem um bem estar enorme, me dão força e nelas me abrigo tantas vezes.
Grata por tudo João.

Fico sem palavras para te agradecer desejo como sempre que estejas bem e feliz. Um beijo e boa semana.