Seguidores

sábado, 20 de abril de 2013

site desfigurado



No Luso Poemas, site de Poesia onde à quatro anos deposito meus poemas e onde colho já 327.000 leituras, há a grande preocupação por parte de meia duzia de ditos poetas de elite de quererem fazer uma seleção onde vigore apenas a poesia que eles acham ser « a boa», e andam armados em críticos, baralhados, no forum cada um dizendo sua coisa e até agredindo-se uns aos outros, apesar de serem eles mesmo os ditos que se acham o máximo. Ora hoje dei lá com um comentário do Poeta que assina ....MERDILOV e diz ser da Russia, e não resisti a trazê-lo para este meu espaço, ( onde eu sou a maior ), por que de facto, o que ele escreve é exactamente o que por lá se passa, o que querem fazer daquele espaço de poesia de poetas  amadores...  infelizmente em todo o lado há quem queira dominar.
Achei a sua prosa opinativa o máximo, para mim o mais correcto que li por lá acerca do assunto.
««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««
este 1º pedaço de prosa é dum outro


" ...perfeito mesmo seria se houvesse uma forma dos próprios autores, já no cadastro, identificarem-se como "café-com-leite" (conhecem a expressão?). estes teriam um "salvo-conduto" das opiniões, demonstrariam que estão no luso-poemas apenas para passar o tempo, por terapia ou qualquer outro motivo que não envolva literatura..."

******


Segregação. Formação de castas que propicia que os que se consideram elites dominem.
Os operários tem que morar em bairros proletários para não importunarem os bem nascidos com a visão que proporcionam aos que se julgam superiores,sua pobreza, falta de modos e falta de educação agridem nobres.
A classe dominante exerce um imperialismo no proletariado e querem trazer esse ranço autoritário aqui.
Na verdade, alguns querem é ficar entre os que se julgam iguais, elogiando-se uns aos outros. Qualquer um que ouse ser diferente é exterminado.

Mas tomem eles cuidado com os próprios atos. A história da humanidade é prodiga em exemplos aplicáveis. Primeiro vão expurgar excluindo os que cometem erros de ortografia e gramática. Não merecem estar aqui. Nos agridem com seus erros crassos.
Livres deles, vão excluir os que tem estilos dissonantes. É literatura menor. Não merecem estar aqui. Não vão fazer falta.
A assim por diante vão excluindo e destruindo a todos que são diferentes até que restem apenas um punhado de puros e bem nascidos que aprovam uns aos outros.
Mas, a fogueira das vaidades não os deixará impunes. Vão começar a policiarem uns aos outros, dentro de seu próprio grupo, atacando-se os iguais. O mais forte é o inimigo a ser batido.
Vai assim continuar num dantesco festim autofágico até que reste apenas um. O melhor de todos. O Puro. O Suprassumo. Venceu a todos. Não há mais quem o desafie.
Ao olhar para seu último texto, ele mesmo não gosta do que escreveu. E num achaque ortodoxo de puritanismo exacerbado retalha-se a si próprio. Afinal, ele é tão puro que não pode perdoar nem em sí mesmo a menor falha.
Fim da tragédia. Fecham-se as cortinas. Acendam as luzes. Mas, será que há alguém na platéia?

Dimitri Smerdilov



Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/newbb/viewtopic.php?forum=21&post_id=28511#forumpost28511#ixzz2R3YEvgFb
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

3 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália
Sobre o caso em apreço oferece-me dizer o seguinte.
Perspicácia bom senso Educação urbanidade não é apanágio de todos. A nossa liberdade acaba quando colide com a liberdade dos outros. Sempre que os malfadados puristas entram em ação as guerras instalam-se. Quem decide da vida e do valor de qualquer publicação são os leitores. Ninguém mais deveria ter a ousadia de o fazer!
Todos devem ter direito a escrever da forma que sabem independentemente do seu valor literário. Procurar fazer segregações é a todos os títulos lamentável e inqualificável.
A humildade é um bem precioso. Saramago disse: O HOMEM MAIS SÁBIO QUE CONHECI NÃO SABIA LER NEM ESCREVER. Tudo tem o seu valor, até a sabedoria empírica!
Mas não te preocupes, como diz o povo, enquanto os cães ladram a caravana passa. E o povo tem sempre razão!
Beijo
João

Natalia Nuno disse...

Estou de acordo com as tuas palavras João, lógico que concordo com a crítica, com ela também crescemos, mas ser maldoso na apreciação e dizer mal de tudo quanto leêm como se só o que escrevem que é ao fim e ao cabo é «nada», não se pode considerar crítica mas sim maldade.Há tanto tempo no Luso apareceu num dos meus últimos poemas lá postados a 1ª voz dissonante dizendo que eu não trazia nada de novo e que o poema era igual a tantos outros que nada valem...ora nada valem para ele armado em crítico, porque entretanto teve outros comentários em que as pessoas o elogiavam, não se pode agradar a todos nem pretendo, mas vindo de quem veio a crítica eu sei que foi por maldade ou vingança, dado ter tido alguns conflitos com este fulano, que por se dizer administrador do site, pensa que pode dizer e fazer tudo a seu belo prazer.
Beijo João
Obrigada por dares tua opinião.

Natalia Nuno disse...

Para ele qualquer poesia que não tenha palavrões nada vale, sentimentos são lamechice, amizade é coisa de menor importância e por aí afora, graças a Deus que são uma dúzia talvez, aut~enticos ditadores e que provocam a discordia, e até entre eles andam sempre em luta, qualquer um se julga melhor que o outro.

O mundo não está bem mas no futuro com gente desta estará bem pior eu acho.

Consegui escrever-te mais um pouquinho sobre o assunto.
Nunca o site foi sossegado, mas não podemos esperar que não haja sempre meia dúzia de loucos a fazer disturbios.
Fica bem.
bj.