Seguidores

domingo, 5 de agosto de 2012

NO ÂMAGO DO MEU GRITO



Todo fruto com o tempo amadurece
Com o mesmo que de tudo escarnece.
E me deixa o rosto de órbitas vazias
Absorta neste estado estranho onde me perco
dos anos a fio, num mundo monótono e vazio.
Dançam as chamas na lareira
De paredes mascarradas
Dorme o gato aqui à beira
Com sete vidas gastas e quebradas.
E a lenha arde, e eu como cisne
me deixo morrer
Esqueci a chave da memória por aí
onde se amontoam lembranças
desde
o amanhecer.
Quebrei o gonzo da porta do coração
Tudo perdi!
Esqueço as traves carcomidas
já não há por aqui crianças
o tempo se tornou amargo
em nossas vidas.

Olho através da vidraça
Os dias perdidos no tempo,
são agora uma ameaça
Vivo momentos distantes
Que o tempo me quer roubar
Luto mas começo a estar vencida
Como folha levada p'lo ar
P'la cilada da vida
Bem urdida.

Uma noite sucede a outra
As lágrimas que verto, o tédio
Trago as mágoas debruçadas
sobre o peito
E não encontro remédio.
desertam desejos, já nada
é perfeito.
Logo os pássaros virão
E os sinos dobrarão
E quem sabe a claridade
generosa, de mais um dia de saudade.

Saudade é o que eu chamo
Ao fogo que em mim persiste
Saudade de quem, e tudo eu amo
Saudade um doer gostoso... porém triste.

natalia nuno
rosafogo
imagem da net



1 comentário:

PÈTALA disse...

Olá Natália

Passeei nas palavras, ditas
Fui lendo a dor do teu canto
Mas nenhumas são malditas
Apenas a extinguir encantos!

Todo o amor que por elas passou
Em muitas coisas interessantes
Revivem sempre a quem andou
E nunca se apagam em instantes!

A solidão só entra e se instala
Se lhe dermos acolhimento
Se não tiver onde chegar á fala
Ela morre em qualquer momento!

Ainda bem que a saudade existe
Muitos gostariam de a poder ter
Para quem levou uma vida triste
A mesma, é um eterno anoitecer!

Beijo

Pétala