Seguidores

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

DEIXEM-ME SÓ

H. Zabateri

Ninguém pode conter meu pensamento
A mim o futuro me angústia!
Deixem-me só
com meu mundo me contento
Deixem-me viver por mais um dia!
Não me façam engolir o que não quero
Trago a garganta apertada em nós.
Só da poesia refúgio espero!
Trago a dor de viver,
e amargura na voz.

Trago raiva e amor em mim
Toco a terra que me viu nascer
Sofro com o murchar do alecrim
Que nas brumas de Outono está a morrer.
Jamais se explica o que se sente
A vida é casa onde ando perdida
Onde soluçam as alegrias da gente
Mais dia menos dia de tudo esquecida.

natalia nuno
rosafogo

Sem comentários: