Seguidores

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

desilusões...




cerro meus olhos a esta página vazia
o meu coração recolhe a dor da terra
goteja ele densamente amarga agonia
negras visões que o meu olhar encerra

estendo meu silêncio sobre esta linha
só os rouxinóis me cantam na memória
a brancura da página é minha, só minha
e muda fico nela, a recordar m' história

deito a mão à dor vinda da obscuridade
já minhas pupilas incansáveis com os anos
perderam o brilho, são estranha opacidade

enclausuro-me na minha eterna saudade
rostos que não encontro, são desenganos
até que m' chegue o céu com nova verdade 

natalia nuno
rosafogo

uma familiar faleceu, mas uma nova vida na família está prestes a chegar...



4 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália.

A vida é isto mesmo. Uns a partir outros a chegar. Só temos que saber aceitar tudo isto como ordem natural das coisas, da vida. Tudo que nasce morre! Exceto os poemas com que sempre nos delicias! Esses voarão no tempo, e no espaço! Ninguém os apagará!

Muita força para ti e os teus.

Beijos

PS: tenho andado bastante arredado destes lides por outros afazeres.

Jaime Portela disse...

Um poema para reflexão.
Excelente, gostei imenso.
Os meus sentimentos pelo seu familiar.
E parabéns pelo novo ser que se aproxima (será que já nasceu?).
Natália, continuação de uma boa semana.
Um abraço.

Natalia Canais Nuno disse...

Olá João
Meu querido amigo desejo que estejas bem, também eu não tenho andado por aqui, pois só ontem cheguei duma nova viagem a Jerusalém e Palestina, queria muito lá ir e Deus fez-me essa vontade, tudo correu muito bem e estou feliz.

Agradeço a tua presença, um beijinho com muito carinho, fica bem.

Natalia Canais Nuno disse...

Olá amigo Jaime Portela

Um tanto atrasada no agradecimento, por motivo de ter viajado quase um mês, mas fico muito lisonjeada com seu apreço, bem haja pela presença.

Meu abraço com desejo de que tenha uma boa semana

minha sobrinha neta já nasceu sim e chama-se Maria Inês, a vida não pára, a alegria surge de novo na família, fica também a saudade de quem vai partindo.