Seguidores

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

bate-me à porta a saudade....



Todas as forças consumi
evoco agora recordações
contemplo ternamente o tempo
de quando te conheci
sinto um leve rubor com a recordação
era tempo terno, tempo de ilusão
agora as recordações já se sobrepõem,
minha expressão já envelhecida
já lhe escapam os traços,
tudo são interrogações e expectavivas
os sorrisos, os passos... que fez o tempo
da minha vida?
Mergulho no passado
docemente recolhida...

Erro ao acaso pelo cais da vida
bate-me à porta a saudade
e num sonho revejo
com felicidade, e súbita
iluminação interior
os melhores tempos, tempos d'amor

meu pensamento voa
levando meus olhos numa aventura
excessiva,
o coração ama,
o sentimento não extinto
porque é amor o que sinto
viva, viva apelando à vida
degrau a degrau me facilite a subida.

meu coração ainda existe
numa teimosa nostalgia
que me ata à vida...

natalia nuno
rosafogo





2 comentários:

Edith Lobato disse...

Maravilhosa poesia, Natalia, li no EPA e agora aqui novamente. Feliz semana querida.

Natalia Nuno disse...

Agora nos vamos encontrando Edith afinal já fazia parte do EPA, mas por vezes sinto-me um pouco cansada e páro um pouco nos sítios por onde partilho, grata pela visita amiga, desejo -te uma boa semana com tudo bom.

Beijinho querida