Seguidores

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Balada de amor



Falar de amor, é estremecer de júbilo e prazer...
___ com Natalia Nuno ___ Grata minha amiga! 

BALADA DE AMOR
Natalia Nuno & Reggina Moon

Quero estar contigo
e sentir que estás comigo
na alegria de me amares.
Sentir-me numa bebedeira de chuva
sentir o travo fino da uva
esquecer do céu trovejares,
fazer a hora durar
o amor perdurar
da memória não perecer.
Esquecer os desatinos
e tristes descaminhos
não enlouquecer
fazer a noite amanhecer
e a paixão renascer...
Sermos toda eternidade
ou saudade que nos mata
Balada de amor sem amor
em dois poemas solitários.

Recanto das Letras
Enviado por Reggina Moon em 30/05/2014

Este dueto criado com a amiga Reginna foi ideia dela e a convite participei, o tema amor apesar de batido, sempre traz algum encanto. Obrigada amiga.

2 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália

Dueto, onde o amor entrelaçado nos embala para mundos onde apetece ficar em eternas melodias!

Simplesmente, brilhante!

Beijo

João

Natalia Nuno disse...

Agradeço João em nome das duas, não sou muito de duetos porque eu acho que cada um de nós tem a sua maneira de escrever, mas a pedido duma amiga lá aconteceu e ficou bonito.

Sabes agora lembrei-me por falar em não gostar, também não gosto de entrar em concursos, a princípio participava e ganhei algumas menções honrosas, mas ficava sempre decepcionada com os que ganhavam os 1ºs prémios, quase pressentia ali uma mãozinha de alguém, porque na generalidade pouco ou nenhum sentido fazia terem ganho. Hoje penso que a Poesia não é para andar nessas coisas, quanto a mim há muita vaidade e muito convencimento por aí, eu prefiro ter menos aplausos mas ser lida com sinceridade e que sejam honestos os que me falam sobre a minha.
Isto é só um desabafo sobre o que vejo e ouço nas minhas presenças não só por aqui como também nas apresentações de livros onde tenho ido.
Bem desejo-te bom domingo, tudo bom...
beijinho

...hoje faz 23 anos o meu 1º neto e parece que foi ontem que o trouxe de avião de Milão onde nasceu...o tempo voa.