Seguidores

sábado, 18 de janeiro de 2014

a braços com a saudade...



Lembro a aldraba da porta
lembro da candeia acesa
concentrada vou estranhando
não ver a família ceando
será que já está morta?
Essa é a cruel certeza!
Pelo postigo olho o firmamento
e no telhado em frente
ainda o velho cata-vento,
cheira a morno a madrugada
anjos habitam a capela mor
Esquecida? só minha memória!
Por cada lembrança arrancada
rezo à Srª. da Vitória,
de quem sou devota com amor.

Apanho o tempo encostada à porta
além o rio... mais ao longe
a aldeia engalanada,
a passar vai o cortejo;
lá vou mais viva que morta
pedir à Santa um desejo.
A banda enche a paisagem de sons
e as raparigas vaidosas porque é festa
vestem de mil tons
e os rostos antigos voltam à rua
sinto-os sonolentos, de voz sumida
alguma debilidade,
efémeros momentos de felicidade
agora tristeza... no coração a saudade!


Tantos anos...tantos passos!
Meus sentimentos estão baços
as paredes com bolor
fotografias na parede a envelhecer
descubro rostos pendurados
puxo a aldraba da porta
toda a sua gente morta
só ela não vai morrer,

tantos anos...tantos passos!
Meus sentimentos estão baços.

natalia nuno
rosafogo

2 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália

Nunca me largues, saudade!
És a grande força do meu ser!
És como uma grande amizade
Que sem ela não saberia viver!

E…

A saudade mora contigo
De encontro a teu peito
Dá se bem nesse abrigo
Como um, amor-perfeito!

…A saudade corre, a saudade voa, a saudade entoa, na alma da tua pessoa!

Que bom ter saudades! Por elas, e com elas, nos continuas a deliciar!

Beijo

João


Natalia Nuno disse...

Olá João

Li ontem o teu comentário, como sempre fiquei feliz, obrigada...
Não te agradeci logo porque vinha muito cansada da entrevista que dei, cheguei a casa era uma da noite.
Obrigada também por estares tão presente e me dares o ânimo que necessito. Beijinho, fica bem.