Seguidores

domingo, 8 de janeiro de 2012

A RECOMPENSA DE SONHAR

H. Zabateri

Cheira-me a terra molhada
Sinto o coração mais forte a bater
Espreita-me a saudade p'la calada
Por entre arvoredo verdejante
Andam meus sonhos repousantes
O sol nascente a enternecer.

Cheira-me a terra lavrada
Tapete de viva cor de esperança
Canto das aves, a vida serenada
Ao longe olho a criança.
E um verdadeiro milagre acontece
Chove na terra e vertem já as goteiras
E logo o sol nascente aparece
E as gentes esquecem as canseiras.

Cheira-me a terra molhada
Seu aroma em mim qual perfume
A porta aberta ou mal fechada
Deixa antever aceso na lareira o lume.
Há fumo saindo p'la chaminé
Amores perfeitos no peitoril da janela
Nas poças de água meto o pé
E ouço o chamar de minha mãe,
fervilha a sopa na panela.

Cheira-me a terra germinada
Onde preguiçosamente a semente nasce
E olho o sol na tarde dourada
Enquanto a Lua aparece e a noite faz-se.
Já brilham as estrelas no céu
Há luar é Lua cheia
Sentada na soleira, ali estou eu!
Minha mãe ao lado, tecendo meia.

É a recompensa de sonhar
Sonhar é continuar a viver
A esperança a cada dia semear
Faz bem ao coração, a força do querer.
Os sonhos ligam-se e interligam-se de verdade
E eu vou sonhando anos passados
Com doçura, a vida mais de metade
A terra me traz os sonhos inebriados

rosafogo
natalia nuno
imagem retirada do blog-imagens para decoupage.

Sem comentários: