Seguidores

domingo, 7 de agosto de 2011

A HORA DE LEMBRAR



Nesta hora sómente a lembrança
De momentos que não vou devolver
Ficarão pra sempre no peito
com a esperança
que se aninha no esforço de viver.
Desta SAUDADE não tenho cura
Saudade que inteira me abraça
Corre nas entranhas a ternura
Passa o tempo e ela não passa!

Saudade fluí dentro do meu coração
Como água duma fonte
fresca e pura
O perfume da hortelã
A ilusão...
Um ardente sol no horizonte
Uma tarde clara na lonjura.

É arco-íris no céu deserto
É tudo o que na memória já se perde
É o limiar dum sonho por perto
É sentir o palpitar da terra verde.

Lembrança...ouvir uma voz querida
à distância
Hoje sinto no mais profundo do coração
uma melancolia forte,
da criança...
Que salta, que passa e que corre
e em mim não morre.

Lembranças são chamarizes
Já um pouco furtivas,
Mas por vezes bem vivas!
Que me transportam a dias felizes
Onde havia verdes trigais
E a primavera me vestia de sonhos
Tal como vestia de novo as ramagens
                                                    dos choupais.

 rosafogo
natalia nuno
imagens do blog para decoupage

2 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida

Como sempre encontro um belo poema, escrito com os dedos da alma.

Deixo o meu beijinho
Sonhadora

N. Barcelli disse...

Há saudades boas...
Magnífico poema, gostei imenso das tuas palavras.
Natália, tem uma boa semana.
Abraço.