Seguidores

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O SOL NASCE NA MINHA MÃO



Quebram-se meus braços
Que fazer agora?
Será que é hora,
de parar meus passos,
ou ainda há tempo de verter
uma lágrima e enxugar o rosto?

Ainda me sinto a erguer
Com chama e com furor
E lágrima que se perder?
Será uma só, uma, orfã e por amor.

Resta-me a palavra
Tudo o resto deu em nada!
Em mim só a saudade lavra
no peito uma alegria desmesurada.

Não troco minha vida por nenhuma
Nem sonhos, nem esperanças, 
não troco, não!
O sol nasce ainda na minha mão,
E a alma vagueia por aí como pluma.
A vida que quebrou meus braços
Foi mãe e  madrasta
Deixou-me andar de pés descalços
Mas, traz-me sempre um novo dia
e isso me basta.

natalia nuno
rosafogo
imagem retirada do blog imagens para decoupage

2 comentários:

manuel marques disse...

Lindo.

Beijo e bom fim de semana.

Natalia Nuno disse...

Obrigada Manuel, tudo bom para ti.
beijo.