Seguidores

terça-feira, 29 de novembro de 2011

TUDO QUANTO AMEI!


Trago nos olhos
silvados floridos.
Margaridas nascem nos meus dedos
Há rouxinóis na ribeira
dos meus sentidos
Chuvas de Abril lavam segredos.
Nas palavras há rosas abertas
Meu corpo foi terra de sementeira,
seara verde ... no tarde,
agora deserta certa,
sombra dura minha verdade!

Quer se queira ou não queira.

Depois da angústia a fadiga
que  surpreende o passo
O destino  vigia
Dando uma mão amiga
E o bálsamo do teu abraço.

Como o sol dum novo dia.

Chegue onde chegar meu dia
Ainda que me queira cegar
Pedirei a luz com que te via
Só mais um instante p'ra te olhar.
E então perguntar-te-ei:
Quem foi que morreu?
O tempo? Eu?

Ou tudo tudo que amei?

natalia nuno
imagem retirada do blog imagens para decoupage.

Sem comentários: