Seguidores

domingo, 23 de setembro de 2012

LABIRINTO



Um cão a latir
a uma rua daqui
a rasgar-me a tranquilidade
e a lua a surgir
brilhando de felicidade.
Abeira-se das casas
um bando de morcegos
guinchando, batendo as asas
enxotando meus sossegos,
e a noite acorda mil ecos
não se importa de me incomodar
as ruas desertas, as almas são becos
cuja presença é difícil ignorar.

Minhas mãos adormecidas,
arranco-as das garras do esquecimento,
ouço badaladas de despedidas
asas negras é o sentimento.
Martela-me no peito o coração,
a chuva desaba sobre os telhados,
meu olhar vago, em engelhada solidão.
Sonhos magoados...estropiados...
ruínas, onde não habita ninguém
nem lágrimas, nem gritos,
apenas ecos vindos do além.

rosafogo
natalia nuno
imagem da net

Sem comentários: