Seguidores

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Poema do amigo e conterrâneo Paulo César

Natural é o meu regozijo! Quero olhar
A vida com olhos bem cintilantes e libertos,
Toutinegras que se elevam ao infinito.
Aguarda-me, enquanto navego pelos canais
Labirínticos das minhas memórias vivas,
Inquietas, diletantes, incisivas.
A quem deixarei as lágrimas que não chorei?

Nasci na margem dum rio de água lavada,
Útero duma paixão que cresceu e continua!
Naveguei com a corrente além da madrugada.
Onde guardarei a saudade que tanto se insinua?


Paulo César

Obrigada Paulo César, deixas-me sempre emocionada e sem palavras com que te agradeça convenientemente, consoante sente meu coração...

Surpreendida apesar de não ser a 1ª vez que sinto o teu carinho e a tua amizade, as nossas palavras se alimentam do amor que temos à terra onde nascemos, por isso eu te admiro tanto como pessoa e como poeta, é como se nossos corações batessem em uníssuno...o tempo passa mas não esquecemos donde viemos, e sempre se ilumina o nosso sorriso ao lembrarmos a terra e os nossos...tudo tão longe, mas agora aqui no cintilar das tuas metáforas, na beleza do teu dizer, neste com que me mimas.
Obrigada Paulo César
beijo
natalia nuno

Sem comentários: