Seguidores

quarta-feira, 17 de maio de 2017

chove-me na alma...



vi-te olhar a luz lenta que se perdia
olhei as primeiras sombras da solidão
a cada dia com mais precisão
olho-te e a dor é forte
é o meu sangue que sente
que nos há-de separar a morte

de repente um aroma a recordar-me
palavras doces, trémulas e remotas
que me abrem as janelas da memória
e me conduzem ao tempo do sonho
nele somos a juventude...
volto à quietude, onde amiúde
o recordar do teu sorriso me provoca
estremecimento

pressentimento frio
sussurra ao meu ouvido
e com audácia fala-me da vida por um fio
tanto tempo decorrido... e agora a solidão
crescente... é meu sangue que sente
esta vida que nos emudece
este outono de pegadas vacilantes
este querer lembrar que já esquece
neste dia, na sombra  deste instante
com saudade de todos os instantes...
esta obstinada desordem, esta angústia sustida

nada me resta, traz-me a morte seduzida...

natalia nuno
rosafogo



Sem comentários: