Seguidores

sábado, 13 de setembro de 2014

Luz boreal...



Abria-se a escuridão da noite
nas ramagens o rumor do vento
ao abandono nossos corpos nus
numa entrega como flores ao relento
lá fora a vida levando sua cruz
tu eras o vento que me açoitava
o interminável sol que me aquecia
eu a flor que por ti brotava
feliz até ver nascer o novo dia
sempre o amor com intensidade
nas mãos hoje, gestos de saudade

Carícias como nuvens brancas perdidas
pairando sobre nossos corpos
depois a doçura dos silêncios,
das horas enlouquecidas
resta ainda uma indelével frescura
cascatas de risos e ternura...

cada dia mais viva esta magia
tanta era a emoção no caminhar
hoje a recordação em mim irradia
como a luz boreal que noite e dia
é presença ditosa no nosso olhar.

natalia nuno
rosafogo

Noruega 7/2014





4 comentários:

Edith Lobato disse...

Espetacular poema. Uma linda tela poética em versos. Parabéns! Bjs

Natalia Nuno disse...

Oi Edith tudo bem contigo? Agradeço a tua visita...
beijinho, boa semana.

PÈTALA disse...

Olá Natália.

Tudo, te poderão querer tirar
Até mesmo a luz que te alumia
Mas nunca te poderão roubar
Tua alma que se desfaz em poesia!

Mais um poema que vem deitar por terra todos os teus detratores

Custa muito combater a malvadez, mas custa muito mais combater os ignorantes da poesia!

Beijo

João

PS: Fui dar uma vista -d’olhos ao que te fizeram no luso. E de facto existem pessoas que deveriam ser irradiadas de lá. Mas como até o dono do site “ ele próprio “ gosta de criar confusões, por certo fica contente com elas!

Natalia Nuno disse...

Olá João
Mais uma vez agradeço as tuas palavras e a tua amizade, obrigada pelo apreço que fazes ao poema, com uma bela quadra, como só tu sabes bem fazer.

É difícil aceitar dizes bem a malvadez, de quem não é boa gente, ali não se pode defender quem eles perseguem, por eu ir em defesa da RosadSaron faz tempo, talvez quatro anos, nunca mais me deixaram em paz...desisto, e só não retiro tudo em atenção a quem me continua lendo, pois a estatística está sempre a aumentar diáriamente, até mais do que se lá andasse, é disso que têm inveja.
Não volto lá a partilhar nada.

Boa semana João, grata por tudo.
beijinho