Seguidores

sábado, 25 de maio de 2013

poema impertinente...



envolve-me a neblina
bate meu coração apressado
caço borboletas... ainda menina
e o poema me olha admirado.
- mas que coisa feia!
- mas tanto me atrai...
olho  o poema de soslaio.
 olha-me ele com surpresa...
- deixa-me ser pequena
daqui não saio!
quero disfrutar,
ter certeza
que lembranças são
para o meu coração
relíquias do passado.

meu coração bate cada vez
mais apressado.
tão perto meus tempos de menina
que a alegria em mim não cabe
pobre poema acha que sou louca,
sou apenas menina ladina
e ele de mim pouco sabe.

pôs-se de permeio
entre mim e as borboletas
levanta o pé
querendo discussão...

- deixa-te de tretas
isto é apenas um sonho,
guarda a tua opinião.

e assim o poema  reconhecidamente
impertinente,
distraído...foi submetido
à sua humilde condição.

natalia nuno
rosafogo


Encontro-me em Strasburg...desejo a todos os amigos um bom domingo, bjs.

2 comentários:

PÈTALA disse...

Olá Natália

Nada na vida é perfeito
Mesmo se dito a cantar
Mas tens contigo o jeito
De nos fazer, embalar…

Poema impertinente, mas que é pertinente! Será sempre bom sentir a auréola do coração de criança! Serás sempre tanto melhor e mais feliz desde que não percas a criança que existe em ti! O calor que brota do coração pode e deve ser contagiante! Um balsamo constante, e sempre presente.
Beijo
João

Natalia Nuno disse...

Fazem-me bem as tuas palavras, grata por estares presente e me transmitires tua sabedoria.

Beijinho